Trilha promovida pelos agentes populares ambientais sensibiliza sobre conservação

Os agentes populares ambientais de Gurjaú realizaram, na quarta-feira (27), uma trilha ecológica sensitiva e interpretativa entre os açudes Gurjaú e Sucupema. A ação tinha como objetivo sensibilizar a população acerca da importância da área. Os agentes foram formados no Projeto de Formação de Agente Populares Ambientais desenvolvido pela Associação Águas do Nordeste (ANE).

A trilha teve cerca de 4km e foi feita por um grupo de aproximadamente 80 pessoas. O grupo foi bem diverso: estudantes das escolas municipais do Cabo de Santo Agostinho, de Jaboatão dos Guararapes, integrantes do Comitê de Bacias de Pequenos Rios Litorâneos 2- GL2, agentes populares ambientais e membros da Coordenação de Educação Ambiental na Secretaria Executiva de Meio Ambiente.

No início, o grupo participou de uma roda de conversa sobre a importância dos recursos hídricos e da conservação dos nossos mananciais para a nossa vida. Após esse diálogo, a equipe foi divida em turmas menores que, em fila indiana, realizaram a trilha. A cada 10 pessoas, um agente popular ambiental ficava responsável por repassar as informações acerca das espécies de fauna e flora encontradas no local.

Para o agente popular ambiental Dan Fortunato, a sua primeira trilha foi uma experiência ímpar e possibilitou um maior aprendizado sobre o respeito à natureza e a importância do espaço para a vida da sociedade. “Mesmo morando aqui no Cabo de Santo Agostinho há quase 10 anos, eu não conhecia lugares como esse. O lugar é lindo! Essa atividade foi maravilhosa e a interação com as crianças foi muito legal”.

Os alunos gostaram da interação desde o convite. “As vagas eram limitadas. Tínhamos 45 vagas para o passeio e recebemos mais de 100 inscrições de interessados”, relembrou o professor de Ciências e de Educação Ambiental, Jackson Atos, da Escola Municipal de Tempo Integral São Sebastião. De acordo com o professor, alguns de seus alunos nunca tinham participado de uma trilha, mas ficaram felizes e interagiram bastante com os demais participantes da trilha e, óbvio, com o meio ambiente. Para ele, houve uma aprendizagem satisfatória em relação aos conceitos sobre o meio ambiente, às atitudes que precisam ser tomadas pela natureza e os procedimentos corretos ligados à conservação.

Ao longo da trilha, os agentes populares ambientais limparam os resíduos sólidos que a população insiste em deixar pelo meio do caminho, como sacolas plásticas, embalagem de comida, fraldas descartáveis e pneus de moto. Depois de coletar todos os resíduos, a equipe buscou sensibilizar o grupo sobre a importância das nossas matas, porque é a partir delas que acontece a preservação dos nossos rios e nascentes. “Trabalhos como esses são importantes porque tocam as pessoas. Os alunos saem de lá com essa vivência, sabendo o que é Mata Atlântica, a importância dessa Mata para a nossa sociedade, vendo e vivenciando as dinâmicas ambientais”, explicou Patrícia Caldas, coordenadora do Projeto Formação de Agentes Populares Ambientais.

Para Danielle Santana, Chefe de Núcleo de Educação Ambiental na Secretaria Executiva de Meio Ambiente e Gestão Urbana de Jaboatão, a maioria da população urbana de Jaboatão, assim como de outros municípios, ainda não tem noção da importância do (RVS) Matas do Sistema Gurjaú. “O território do Gurjaú geralmente recebe visitantes de áreas urbanas que, por conta desse desconhecimento e por falta de uma maior sensibilidade ambiental, provocam grandes impactos negativos no Gurjaú, realizando atividades de caça, desmatamento e descarte irregular de lixo nas matas, o que na verdade são graves crimes ambientais”, destacou ela.

De acordo Dan Fortunato, os agentes populares ambientais farão uma avaliação da atividade e tentarão realizar outras ações para sensibilizar mais pessoas sobre a prática da conservação. Os casos de crimes ambientais serão levados aos órgãos responsáveis. A Trilha sensitiva e interpretativa também contou com a participação da Escola Dr. Humberto da Costa Soares, do Cabo de Santo Agostinho, da Gestão Urbana de Jaboatão dos Guararapes, do Grupamento de Apoio ao Meio Ambiente (GAMA) e da Guarda Ambiental do Município do Jaboatão dos Guararapes.

Projeto – O Projeto Formação de Agentes Populares Ambientais – RVS Gurjaú é realizado pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e Agência Estadual de Meio Ambiente – CPRH. A ação é desenvolvida pela Associação Águas do Nordeste, com os recursos da Compensação Ambiental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*