Agentes Populares Ambientais realizam intervenção no RVS Matas do Sistema Gurjaú

A programação contou com oficina com materiais reciclados, de pintura e ações de educação ambiental. Amanhã (27), os agentes populares ambientais planejam a realização de uma trilha do Rio Gurajú ao Açude Sacupema.

Os agentes populares ambientes do Refúgio de Vida Silvestre (RVS) Matas do Sistema Gurjaú realizaram, no domingo (24), o Dia do Rio, uma intervenção educativa e criativa voltadas aos cuidados com o RVS Matas do Sistema Gurjaú. A ação, que reuniu agentes populares e moradores da comunidade região, foi criada durante a Oficina de Planejamento do Projeto Formação de Agentes Populares Ambientais, executada pela Associação Águas do Nordeste (ANE).

A programação contou com oficina com materiais reciclados, de pintura e ações de educação ambiental. A atividade se mostrou importante, uma vez que foram encontradas situações preocupantes. “Durante o Dia do Rio, foram observados problemas em relação ao uso da cachoeira para atividades de lazer, como falta de segurança, descarte de resíduos de forma inadequada, barulho de equipamentos de som”, explicou Renata Silva, uma das educadoras ambientais do Projeto. Para sanar esses problemas, os agentes populares deverão se articular e com a Câmara Técnica Intermunicipal de Monitoramento e Educação Ambiental e buscar medidas práticas para essa situação.

Durante todo o dia, os agentes populares dialogaram com os visitantes da região sobre o descarte correto dos resíduos sólidos e sobre a importância de manter o local limpo. Na oficina de reciclagem, os agentes populares ambientais reutilizaram quatro tonéis que serão usados como coletores de resíduos sólidos para plástico, vidro, material orgânico e resíduos diversos. Os barris foram distribuídos em pontos estratégicos do Refúgio de Vida Silvestre (RVS) Matas do Sistema Gurjaú.

Para a agente popular ambiental, Abnoam Lima dos Santos, a atividade foi bastante útil. “Até aquele dia, a prática local era fazer um pequeno mutirão de lixo e tocar fogo no lixo. Após o diálogo de conscientização e a adoção dos coletores adequados para descarte, todo o material deve ser colocado no lugar correto”, explicou. Já existe coleta seletiva no munícipio do Cabo de Santo Agostinho e, a partir de agora, o Projeto Formação de Agentes Populares Ambientais tentará fazer com que os resíduos recolhidos no RVS Matas do Sistema Gurjaú sejam levados para os caminhões de coleta seletiva.

Segundo o agente popular, Ederjow dos Santos, foi possível compreender a necessidade da presença do poder público na área e a necessidade de ações durante o fim de semana, período em que o público da área costuma dobrar. Para ele, o principal desafio do Projeto será a participação efetiva dos órgãos de fiscalização da área em atividades voltadas aos fins de semana. “É preciso que frequentadores saibam que a área não está abandonada e que as atividades que realizam no local devem ser revistas para não causar maiores perturbações ao ambiente”, definiu Ederjow dos Santos.

A preocupação do agente popular ambiental faz sentido. Durante o evento, houve um incidente com fogo na área provocado por um dia grupos que visitavam o local. O fogo, porém, foi controlado pelos agentes juntamente com a população local.

Projeto – O Projeto Formação de Agentes Populares Ambientais – RVS Gurjaú é realizado pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e Agência Estadual de Meio Ambiente – CPRH. A ação é desenvolvida pela Associação Águas do Nordeste, com os recursos da Compensação Ambiental.

Trilha – Amanhã (27), os agentes populares ambientais promoverão uma trilha do Rio Gurajú ao Açude Sacupema. A próxima terá como objetivo dessa trilha é observar os usos múltiplos da água e refletir acerca dos impactos causados nesses diferentes usos e formas de garantir a conservação deste recurso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*