Agentes populares ambientais planejam ações de sensibilização socioambiental para a ESEC Caetés

O Projeto Formação de Agentes Populares Ambientais da Estação Ecológica (ESEC) Caetés realizou, na terça (17) e quinta-feira (19), na associação de moradores de Caetés I, Abreu e Lima, a Oficina de Planejamento de Intervenções. Durante a atividade, os agentes construíram um plano de ações para a ESEC que deverão ser cumpridas em janeiro e fevereiro de 2020. A Associação Águas do Nordeste (ANE), executora do projeto, e as instituições parceiras acompanharão as intervenções.

Segundo Salomão Ferreira, agente popular ambiental formado pelo Projeto, o grupo foi dividido em quatro subgrupos, que propôs atividades e ações para a ESEC. Ao compartilhar para os demais agentes populares ambientais as suas ideias, sugestões eram amadurecidas e acrescidas de mais detalhes. “O planejamento foi feito de forma coletiva e amadurecida durante todo o processo de formação. Tivemos aulas, atividades, visitas à ESEC e ao entorno, palestras e depoimentos, além da vivência de cada componente e dos organizadores do curso”, enumerou Salomão Ferreira.

De acordo com os agentes populares ambientais, o descarte correto dos resíduos sólidos será o grande desafio para a ESEC Caetés e, por isso, as intervenções focaram na sensibilização socioambiental. O grupo definiu que promoverá uma caminhada ecológica com ações de sensibilização de porta em porta e entrega de material informativo sobre a ESEC. A Caminhada Ecológica buscará conscientizar as pessoas para que não joguem lixo em locais impróprios e percebam a necessidade de preservar a Estação Ecológica. “É muito importante proteger, monitorar as autoridades de fiscalização competentes sobre as possíveis atividades ilegais que possam vir a ser realizadas dentro da ESEC e orientar as diferentes ações para que se enquadrem nas normas de sustentabilidade e não afetem a natureza, a flora e os animais”, pontuou a agente popular Luciene Barbosa.

Além da Caminhada Ecológica, o grupo realizará ainda uma intervenção de revitalização em uma área da ESEC, o desenvolvimento de um aplicativo da ESEC Caetés para monitoramento da área, e ainda a criação de páginas dos agentes ambientais nas redes sociais para divulgação de informações sobre a ESEC. O grupo propôs ainda uma ação de adoção de coletores seletivos, uma vez que, durante o curso, foi discutida sobre a atuação dos catadores individuais e das associações de catadores na comunidade. Além de adotar, o grupo vai propor um diálogo com a comunidade a fim de mudar velhas práticas. “Vimos a necessidade de orientarmos a população no sentido de seletar os resíduos para melhor coleta dos mesmos. Uma ação que beneficiará o meio ambiente e a sociedade”, explicou Salomão.

Para Sandra Cavalcante, coordenadora da ESEC Caetés, a presença dos agentes populares ambientais será fundamental para a conservação da área de proteção ambiental. “O Projeto Formação de Agentes Populares Ambientais da Estação Ecológica (ESEC) Caetés era uma ação, que precisávamos desde que a unidade foi criada”, revelou ao celebrar o interesse do grupo em se envolver com a conservação da área. Para a coordenadora, há uma representatividade muito importante no grupo, como representante do comitê de bacias, da saúde, profissionais da gestão municipal, da gestão estadual, donas de casa, artistas plásticos e lideranças comunitárias e que possibilita que o grupo tenha qualidade e experiências em suas sugestões.

Projeto – O Curso de Formação de Agentes Populares Ambientais da Estação Ecológica (ESEC) Caetés é uma ação do Projeto homônimo ao curso e desenvolvido no âmbito do Termo de Colaboração nº 07/2017 (CPRH/ANE) e financiado com recursos oriundos da Compensação Ambiental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*